Pesquisas revelam informações sobre proteção de dados no Brasil e no mundo

Notícias

06.08.2019

A IBM, em parceria com o Instituto Ponemon, e a Dell Technologies, por intermédio da sua divisão dados, lançaram neste segundo semestre de 2019 seus relatórios com os resultados de pesquisas relacionadas à proteção de dados

Leia também: Lei de proteção de dados empodera cidadão, mas autoridade nasce banguela

Proteção de dados e vazamento de informações – IBM

A pesquisa anual da IBM “Cost of a Data Breach” foi divulgada no dia 23 de Julho de 2019 com exclusividade pela Folha. A pesquisa avaliou, em 2019, mais de 500 empresas em 16 regiões e países, sendo 35 delas aqui no Brasil. 

De acordo com o levantamento, o Brasil é o quarto local em termos de volume de informações vazadas. Na edição anterior da pesquisa, ocupávamos o quinto lugar. 

Nesse ano de 2019, cada incidente no país, em média foram 26.523 registros de informação vazados, ficando atrás apenas do Oriente Médio (38.99), Índia (35.636) e EUA (32.434). Segundo a pesquisa, esse grande volume de dados vazados reflete em perdas de R$ 5 milhões (USR1,35 mi) para as empresas. 

fonte: folha.uol

O diretor de cibersegurança da IBM Brasil, em alerta reportado na entrevista à Folha, informa que o valor é alto e que o montante das multas é calculado em dólar, o que, notoriamente, é ainda mais desvantajoso quando a somatória é convertida em real. 

Os prejuízos relacionados ao vazamento de dados vão além da implementação de multas e obrigações de adequação de sistemas de segurança. Os incidentes acarretam prejuízos à credibilidade das empresas e, consequentemente, a perda de clientes. 

Fora do Brasil, isso é sentindo de maneira mais expressiva. A quebra de confiança por má gestão de dados pessoais conduz a clientela aos serviços dos concorrentes. A perda de negócios chega a 36,2%, sendo apontada pelo estudo como o motivo que ocasiona o maior prejuízo no que se refere ao vazamento de dados, seguido por detecção do problema em si (31,1%), reparo de eventuais problemas (27,3%) e notificações de quem teve sua informação disseminada (5,4%).

Nosso co-fundador e professor, Renato Leite Monteiro, colaborou com a reportagem apontando que, no Brasil a evasão de clientes, não é sentida como no restante dos paises onde foi realizada a pesquisa, dessa forma: “Mesmo que uma empresa tenha vazado dados, as pessoas preferem a conveniência do serviço a deixar de usar por não garantir segurança adequada”. 

Pesquisa Global de Proteção de dados – Dell Technologies

A Dell Technologies lançou, no dia 30 de julho de 2019, os dados da pesquisa Global Data Protection Index, realizada pela consultoria Vanson Bourne entre os meses de setembro e novembro de 2018. Foram analisadas empresas de 18 países, entre eles EUA, Reino Unido, Itália, França, Alemanha e o  Brasil. 

Fizeram parte deste estudo empresas com mais de 250 funcionários, consideradas de médio e grande porte, e 16% dizem já ter sofrido algum incidente de vazamento de dados, sendo que 45% das entrevistadas alegaram ter dificuldades na adoção de medidas fortes e adequadas à proteção de dados. 

Aqui no Brasil, 35% das entrevistadas informaram que experimentaram perda de  dados nos últimos 12 meses. Apesar do risco, as organizações por aqui têm confiança abalada sobre proteção de dados. 

85% acham que sua solução atual de proteção de dados não permitirá enfrentar todos os riscos e desafios da empresa no futuro e 56% alegam não ter certeza de que podem atender aos objetivos de nível de serviço para recuperar completamente sistemas de dados. 

O relatório completo pode ser encontrado através do  infográfico: https://www.dellemc.com/content/dam/uwaem/production-design-assets/en/gdpi/assets/infographics/country/dp_inf_gdpi_infographic_brazil_br.pdf

O infográfico global pode ser acessado aqui: https://www.dellemc.com/content/dam/uwaem/production-design-assets/en/gdpi/assets/infographics/Dell_DPI_2018_Infographic_v8_Final.pdf

As duas pesquisa coincidem em suas conclusões, pois a Global Data Protection Index também identificou como principais problemas os assuntos relacionados a complexidade e custo de armazenamento e carência de segurança para novas tecnologias que atendam a legislação. 

Como se preparar? 

Em sugestão a Dell resume essa preparação em três passos:

Simplifique o seu ambiente de dados; 

Otimize qualquer carga de trabalho em escala (automação);

Proteção de ativos de dados (segurança avançada e redução de riscos).

No dia 21 de agosto teremos o Módulo Avançado “Proteção de dados e reputação: como proteger a imagem das empresas em caso de vazamentos, com o objetivo de apresentar a perspectiva da proteção da imagem e da reputação das empresas diante de vazamentos de dados pessoais e, com isso, equipar os participantes com ferramentas e estratégias para lidar com estes casos, antecipando a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados.

Para mais informações e inscrições, clique aqui.