Privacidade e proteção de dados são fundamentais para a construção da sociedade no Século XXI. Ainda assim, uma pesquisa recente feita pelo Serasa Experian mostra que 73% dos brasileiros nunca ouviu falar na LGPD, a Lei Geral de Proteção de Dados. Para mudar esse panorama e construir uma nova cultura na web, a resposta é uma só: começar de baixo.

Ou melhor, começar pelos mais novos.

Essa é a aposta dos advogados Fábio Lara Aspis, Aline Fuke Fachinetti e Adriane Loureiro, criadores do Juventude Privada. Fábio, Aline e Adriane foram os convidados do Dadocracia, podcast sobre tecnologia e sociedade do Data Privacy Brasil, para explicar as estratégias do projeto que mira em promover discussões e ensinamentos sobre privacidade, proteção de dados e cidadania digital para jovens – e para os adultos que orbitam em torno deles.

“Hoje em dia se você procurar, grande maioria de autoridades de proteção de dados e governos de países pelo mundo têm iniciativas de educação nessa área”, diz Aline. “No entanto, aqui no Brasil nossa autoridade ainda não saiu do papel e quando estiver funcionando vai ter muita coisa para regular, a gente sabe que do ponto de vista pragmático eles não vão começar com a conscientização de base”, explica.

Para suprir essa deficiência, é essencial trabalhar de forma lúdica, com uma linguagem clara e que fuja do modelo engessado de aulas, acredita Fábio. “É o desafio de furar a bolha da privacidade”, afirma ele. Um exemplo disso é o jogo Puxa Papo, com questões que nem sempre são discutidas a respeito de comportamento na internet e privacidade fora e dentro dela.

Ouça o 21º episódio do Dadocracia e veja como o Juventude Privada pode ajudar a mudar o cenário de proteção de dados no país.